Saltar para o conteúdo

A Ansiedade Como um Dos Males da Década

Muitos especialistas consideram que a ansiedade é um dos grandes males da década, pois este transtorno mental tem acometido um número cada vez maior de indivíduos e está associado a um estigma da sociedade, que ainda não vê o transtorno como uma doença de fato a ser tratada.

Ansiedade

A ansiedade é uma resposta do organismo a situações de risco, e é registrada em seres humanos há séculos. Pesquisadores definem a ansiedade como uma estratégia do organismo para se preparar para algo que virá a acontecer, tomando medidas de precaução para combater possíveis imprevistos.

A ansiedade é muitas vezes comparada com o medo, porém o segundo trabalha com reações a ameaças concretas, enquanto a ansiedade lida com possibilidades, muitas vezes coisas que nem irão se concretizar. A partir do momento que este nervosismo passa do ponto, o indivíduo começa a perder a lógica e passa a ser prejudicado pelos sintomas.

De acordo com um documento publicado em 2017 pela organização mundial da saúde, OMS, os transtornos de ansiedade já atingem mais de 260 milhões de pessoas em todo o mundo, com o Brasil se destacando com mais de 18 milhões de afetados. Este montante já equivale a quase 10% da população de todo o país.

Muitos destes resultados estão atribuídos ao clima de instabilidade econômica do país, que acarreta em consequências como desemprego e falta de segurança. Estes fatores somados contribuem para um crescimento exponencial do transtorno entre a população e um pânico generalizado.

Existem muitos tratamentos para a ansiedade disponíveis, ainda que muitos considerem que este transtorno não tem cura e sim tratamentos. Um exemplo de tratamento é o curso online Saúde em Gotas, que utiliza da aromaterapia como ferramenta de tratamento de diversas doenças e transtornos como a ansiedade.

De maneira geral, este transtorno tem atingido um número cada vez maior de indivíduos em todo o mundo e espera-se que as lideranças mundiais tomem conhecimento destes números alarmantes e, com isso, deem início a planos de ação para combater o transtorno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *